Notícias

Institucional

Alto ou baixo: qual o melhor andar para mim?

Atualizado em 21/11/2019 às 05:11
Alto ou baixo: qual o melhor andar para mim?

Comprar um novo imóvel exige que se leve em consideração uma série de questões, a começar pela escolha do formato que melhor atende às suas necessidades: casa ou apartamento? Bem, caso a conclusão seja pelo apartamento, há ainda um outro ponto. Compensa morar nos primeiros andares ou os mais altos são os melhores? A princípio, esse pode parecer um fator secundário, mas, quando se trata de seu lar, todos os detalhes importam. E muito!

Na verdade, a escolha do andar é uma questão muito pessoal. Não há melhor ou pior, pois as preferências variam de pessoa para pessoa. No entanto, é possível destacar diferentes vantagens para cada caso. Por isso, antes da compra, é importante entender o que pesará mais na sua escolha.

Um ponto relevante é o preço. Invariavelmente, os andares ao topo do prédio costumam ser mais caros. Segundo Maria Fernanda Xavier, Supervisora de Arquitetura da HM Engenharia, a elevação do custo nesses casos se dá principalmente por dois motivos. “Um deles é que as unidades ao alto demandam uma carga estrutural maior, o que acaba encarecendo a construção. O segundo ponto que agrega valor a essas unidades é o fato de elas estarem mais afastadas da área social dos condomínios, o que garante mais silêncio e privacidade aos moradores”, explica Maria Fernanda.

O silêncio e a privacidade, de fato, são fatores que tornam os andares superiores mais valorizados. Essas características, muitas vezes, podem ser decisivas para pessoas que prezam por ambientes mais calmos e isolados. Como a altitude é maior, há também maior circulação de ar no imóvel e menos insetos.

Quanto aos andares baixos, além de serem mais baratos, também são mais acessíveis. Isso porque não exigem que os moradores se desloquem muito até seus apartamentos. “Quando os empreendimentos não possuem elevador, há uma maior valorização do primeiro pavimento pela facilidade de acesso”, diz Maria Fernanda. Para alguns tipos de público – como idosos, pessoas que podem ter alguma dificuldade para subir escadas ou até para quem tem medo de elevador ou altura – as primeiras unidades são mais indicadas.

“Por mais que a vista do alto seja privilegiada, em geral as unidades mais próximas do solo dão com a vista direto para o jardim. É como se você tivesse um quintal em seu apartamento”, conta a arquiteta, destacando uma característica que agrada às pessoas que procuram manter maior contato com as áreas verdes.

 

 

Andar alto ou baixo, a verdade é que cada situação tem suas vantagens – e desvantagens. A grande sacada é entender suas necessidades para escolher o apartamento ideal para seu estilo de vida e perfil econômico! E aí, agora que você já sabe mais sobre os pontos positivos de andares altos e baixos, já está mais fácil de decidir? Conta para gente nos comentários qual a sua preferência! Aproveite e conheça mais sobre nossos empreendimentos nas redes sociais: estamos no Instagram, no Facebook e no Pinterest!